O TEDH considerou uma violação dos requisitos do artigo 2.º da Convenção para a Protecção dos Direitos do Homem e das Liberdades Fundamentais.

Заголовок: O TEDH considerou uma violação dos requisitos do artigo 2.º da Convenção para a Protecção dos Direitos do Ho Сведения: 2018-08-01 12:45:44

TEDH acórdão de 28 de março de 2017 no processo Fernandes de Oliveira v. Portugal (queixa n.º 78103/14).

Em 2015, o candidato foi auxiliado na preparação da denúncia. Posteriormente, a queixa foi comunicada a Portugal.

O requerente reclamou com sucesso do suicídio de uma pessoa com doença mental voluntariamente hospitalizada em um hospital psiquiátrico estadual após uma tentativa de suicídio. O caso envolveu uma violação dos requisitos do Artigo 2 da Convenção para a Proteção dos Direitos Humanos e Liberdades Fundamentais.

 

CIRCUNSTÂNCIAS DO CASO


O filho do candidato foi voluntariamente hospitalizado em um hospital psiquiátrico estadual para tratamento após uma tentativa de suicídio no início de abril de 2000. Em 27 de abril de 2000, ele fugiu do hospital e pulou sob o trem. O filho do requerente já havia sido hospitalizado várias vezes no mesmo hospital em conexão com sua doença mental, que foi agravada pelo vício em álcool e drogas. Segundo seus registros médicos, o hospital foi informado de suas tentativas anteriores de suicídio.


QUESTÕES DE DIREITO


Concernente ao cumprimento do artigo 2 da Convenção (lei substantiva). Dada a história médica do filho do requerente e, em particular, o fato de que ele tentou cometer suicídio três semanas antes, a equipe do hospital tinha motivos para acreditar que ele poderia tentar cometer suicídio novamente. Além disso, como já havia fugido do hospital, outra tentativa de fuga com a possibilidade, à luz de seu diagnóstico de desfecho fatal, deveria ser prevista.

O Tribunal registou a evolução da tendência de proporcionar às pessoas com perturbações mentais um tratamento de portas abertas. No entanto, este tipo de tratamento não pode libertar o estado das suas obrigações de proteger os doentes mentais das ameaças que eles podem criar para si próprios. Assim, era necessário estabelecer um equilíbrio eqüitativo entre as obrigações do Estado, de acordo com o artigo 2 da Convenção, e a necessidade de prestar atenção aberta, levando em consideração as necessidades individuais de monitoramento especial dos pacientes suicidas. Quando o equilíbrio é estabelecido não deve ter em conta as diferenças entre involuntária voluntária e: pessoa como hospitalizada voluntariamente está sob os cuidados e supervisão do hospital, as obrigações do Estado tinha que ser o mesmo, porque as pessoas de outra forma hospitalizados voluntariamente ser privado da protecção do artigo 2 da Convenção.

A equipe do hospital verificou se os pacientes estavam presentes ao tomar alimentos e remédios. Além disso, havia uma ordem de acordo com a qual, quando um paciente era considerado ausente, uma busca era organizada para ele no hospital e a polícia e a família eram informadas. No presente caso, o filho do solicitante foi visto pela última vez pouco depois das 16h, mas sua ausência não foi notada até as 19h, pois ele não compareceu ao jantar. Por esta altura ele já estava morto. Assim, o procedimento de emergência mostrou-se ineficaz para impedir sua fuga e, portanto, o suicídio. A ameaça foi exacerbada pelo acesso aberto e irrestrito do hospital à plataforma ferroviária. Tendo em vista a obrigação positiva de tomar medidas preventivas para proteger um indivíduo cuja vida estava em risco, e em relação a um doente mental que recentemente tentou o suicídio, e estava inclinado para escapar do pessoal do hospital poderia ter sido esperado para tomar medidas mais eficazes para garantir que ele não sairá do quarto.


DECISÃO


A violação dos requisitos do Artigo 2 da Convenção (unanimemente) foi cometida no caso.

O Tribunal também constatou, por unanimidade, que houve uma violação do aspecto processual do artigo 2 da Convenção, uma vez que o processo durou mais de 11 anos em dois níveis de jurisdição. mecanismos jurídicos internos geralmente não são fornecidos na prática, eficaz e uma resposta rápida por parte das autoridades, de acordo com as obrigações processuais do Estado.


COMPENSAÇÃO


Na aplicação do artigo 41 da Convenção. O Tribunal atribuiu ao recorrente 703 80 cêntimos por danos morais e 25 000 euros a danos morais.

 

Добавить комментарий

Защитный код
Обновить

© 2011-2018 Юридическая помощь в составлении жалоб в Европейский суд по правам человека. Юрист (представитель) ЕСПЧ.