A CIDH constatou uma violação dos requisitos do artigo 8 (1) da CADH em relação aos requerentes.

Заголовок: A CIDH constatou uma violação dos requisitos do artigo 8 (1) da CADH em relação aos requerentes. Сведения: 2020-07-03 05:10:50

A decisão da Corte Interamericana de Direitos Humanos, de 20 de outubro de 2016, no caso da Organização Fazenda Brasil Verde Trabalhadores Vs. Brasil (Série C, nº 318).

Os candidatos foram assistidos na preparação de uma denúncia à Comissão Interamericana de Direitos Humanos (Washington, EUA).

Posteriormente, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos encaminhou a denúncia da recorrente à Corte Interamericana de Direitos Humanos (San Jose, Costa Rica) para consideração. Em seguida, a denúncia foi comunicada ao Brasil.

O caso examinou com sucesso uma denúncia sobre formas modernas de escravidão e tráfico de pessoas.
Formas modernas de escravidão e tráfico de pessoas.


Circunstâncias do caso


Os fatos do caso estão relacionados à organização "Fazenda Brasil Verdi", localizada no estado do Pará (Brasil). Desde 1988, uma série de denúncias foi apresentada à polícia federal e ao Conselho de Proteção dos Direitos Humanos, alegando a existência de práticas de tráfico de escravos no país.

Em março de 2000, dois jovens conseguiram escapar da fazenda. Depois que relataram a situação, o Ministério do Trabalho organizou uma inspeção, durante a qual os trabalhadores expressaram o desejo de sair. A auditoria observou que os trabalhadores estavam em escravidão. Os inspetores ordenaram que o gerente devolvesse aos trabalhadores suas autorizações de trabalho e pagasse os montantes necessários para rescindir os contratos de trabalho.

Os trabalhadores foram atraídos para a fazenda por um recrutador que oferecia bons salários e até um adiantamento no estado do Piauí, um dos mais pobres do país. Eles viajaram por vários dias de ônibus, trem e caminhão. Ao chegar à fazenda, as autorizações de trabalho foram retiradas e elas foram forçadas a assinar formulários de documentos. O regime previa um dia de trabalho de 12 horas, com intervalo para almoço de meia hora e um fim de semana por semana. Dezenas de trabalhadores dormiam em camas suspensas em fazendas sem eletricidade, camas ou equipamento sanitário. A comida era inadequada, de baixa qualidade e deduções do salário. Os trabalhadores estavam regularmente doentes e não receberam atendimento médico. O trabalho era realizado sob ordens, sob a influência de ameaças e vigilância armada. Além disso, para receber um salário, eles precisavam cumprir um plano de produção difícil, de modo que o trabalho de alguns não era remunerado. Essas condições deram origem a um desejo de se esconder. No entanto, vigilância, falta de salário, localização isolada da fazenda e seus arredores na presença de animais silvestres impediram os trabalhadores de escapar.


PERGUNTAS DE LEI


  1. a) Artigos 6 (1) (liberdade de escravidão) em relação ao artigo 1 (1) (obrigação de respeitar e respeitar direitos sem discriminação), 3 (direito ao reconhecimento da personalidade jurídica), 5 (direito à inviolabilidade pessoal), 7 (direito à liberdade pessoal), 11 (direito à privacidade) e 22 (liberdade de circulação e residência) da Convenção Americana sobre Direitos Humanos (doravante - CADH). A Corte Interamericana expandiu o conteúdo e o escopo dos conceitos de escravidão, servidão, tráfico e tráfico de mulheres e trabalho forçado, que são proibidos pela CADH. Após analisar as disposições aplicáveis ​​dos instrumentos internacionais e das decisões dos tribunais internacionais sobre o crime internacional de escravidão (ou escravização), a Corte Interamericana lembrou sua proibição absoluta e universal no direito internacional e indicou que sua definição legal não havia mudado significativamente desde a adoção da Convenção de Escravidão de 1926.

No entanto, o conceito de escravidão e suas formas semelhantes evoluiu e não se limita à propriedade de uma pessoa, mas também cobre a perda da vontade de uma pessoa ou uma diminuição significativa da autonomia pessoal. Essa manifestação do exercício dos atributos de propriedade nos tempos modernos deve ser entendida como controle que restringe ou nega significativamente a liberdade individual com a intenção de explorar o uso, gerenciamento, benefício, transferência ou descarte da pessoa, geralmente como resultado de violência, engano ou coerção.

Um tribunal interamericano lembrou que a CADH usa a expressão "tráfico de escravos e tráfico de mulheres". No entanto, dado o desenvolvimento do direito internacional, a interpretação mais favorável e o princípio pro persona, essa expressão deve ser entendida como “tráfico de pessoas pessoalmente”, o que também alinha a definição atual ao Protocolo de Palermo. Isso provavelmente se refere ao Protocolo “Prevenção, Repressão e Punição do Tráfico de Pessoas, Especialmente Mulheres e Crianças”, da Convenção contra o Crime Organizado Transnacional.

No presente caso, as autoridades brasileiras não provaram que haviam tomado medidas específicas ou agido com a devida diligência para impedir a forma moderna de escravidão sofrida pelas vítimas e para encerrar a situação. Essa violação da obrigação de garantia foi particularmente grave, dada (a) a conscientização do estado sobre o contexto e (b) a situação especial de vulnerabilidade e ameaça a esses trabalhadores. Assim, o Estado foi responsável por violar a proibição de escravidão e servidão. Além disso, dado o contexto do recrutamento de trabalhadores das regiões mais pobres do país devido a engano, esperteza e falsas promessas, os trabalhadores que escaparam em março de 2000 foram pessoalmente vítimas de tráfico. Por fim, a Corte Interamericana também constatou que esses eventos ocorreram no contexto de discriminação estrutural histórica, com base no status econômico de 85 trabalhadores identificados e resgatados pelo Departamento do Trabalho em março de 2000.


RESOLUÇÃO


O caso violou os requisitos da Convenção (por unanimidade), com relação à discriminação estrutural, o caso violou os requisitos da Convenção (adotado por cinco votos a favor e um contra).

(b) Artigos 8 (1) (direito a um julgamento justo) e 25 (1) (direito de reparação) da CADH em conjunto com os artigos 1 (1) (obrigação de respeitar e respeitar os direitos) e 2 (significado do direito interno) da CADH. Nenhum dos procedimentos legais internos definiu responsabilidade criminal, reparou as vítimas e não investigou o problema em profundidade. Foi aplicado um período de limitação, apesar da inaplicabilidade de tais restrições no direito internacional para o crime de escravidão. Segundo a Corte Interamericana, a falta de ação e sanções por esses fatos foi consequência do processo de normalização das condições às quais as pessoas com certas características foram expostas por um longo período nos estados mais pobres do Brasil. Assim, a Corte Interamericana constatou que o Estado violou o direito de acesso à justiça a 85 vítimas, bem como a outros 43 trabalhadores que escaparam em 1997 e não receberam proteção judicial adequada.


RESOLUÇÃO


O caso violou os requisitos do artigo 8 (1) da CADH (por unanimidade) e do artigo 25 da CADH (adotado por cinco votos a favor e um contra).

(c) Remuneração. A Corte Interamericana de Direitos Humanos constatou que a própria decisão constituía uma forma de reparação e ordenou ao Estado, em particular: (i) que publique a decisão e seu resumo oficial, (ii) retome, com a devida diligência, a investigação e / ou processo criminal referente aos fatos em questão. um prazo razoável e, se necessário, punir os autores, (iii) tomar as medidas necessárias para garantir que o prazo de prescrição legal não se aplique ao crime de escravidão e formas semelhantes prescritas pelo direito internacional; custos.

(Veja também a revisão da jurisprudência do Tribunal Europeu de Direitos Humanos sobre escravidão e tráfico de pessoas, o folheto temático sobre escravidão, servidão e trabalho forçado e o guia da jurisprudência do artigo 4 da Convenção Europeia para a Proteção dos Direitos Humanos e das Liberdades Fundamentais.).

 

 

Добавить комментарий

Защитный код
Обновить

© 2011-2018 Юридическая помощь в составлении жалоб в Европейский суд по правам человека. Юрист (представитель) ЕСПЧ.